Nipsey Hussle – A Man Ahead of His Time #Articles
Maio 8, 2019
What HR can learn from the NBA (2019 Edition) #Articles
Junho 14, 2019

O que procurar num estágio

Hoje em dia mais do que nunca os estágios estão na moda! Temos, portanto, os estágios de curta, média e longa duração, no âmbito curricular, profissional ou de verão… enfim uma panóplia infindável.  Na grande maioria dos casos a realização de um estágio representa o primeiro contacto real de um aluno com o famoso mercado de trabalho, pelo que se torna bastante difícil compreender em que consiste um “bom” estágio e qual a organização/área mais adequada. Nesse sentido, a pergunta que, regra geral mais dúvidas suscita, prende-se com a dimensão, ou seja, estagiar numa empresa grande ou pequena? (definindo para o caso o conceito de  grandeza da empresas tendo em conta os indicadores socioeconómicos) Não existindo propriamente uma solução mágica, deixo algumas vantagens e desvantagens de cada caso:

Empresa Grande

Em princípio, uma organização de grande dimensão vai dispor de vários meios materiais e humanos que facilitarão o processo de acolhimento e integração. Logo, é expectável a existência de um programa de acolhimento bem definido, a designação de um mentor/tutor, uma listagem com os “do” and “dont”, etc. De igual modo, numa fase inicial da carreira é sempre importante estar associado a organizações que tenham um grande reconhecimento no mercado laboral, pelo que o logotipo de uma empresa de referência ajuda a dar consistência ao CV. Contudo, a mesma estrutura que fez com que o acolhimento fosse maravilhoso, poderá limitar o nível de atuação e a autonomia no decorrer do estágio, por outras palavras, o leque das funções a desempenhar será bastante reduzido tornando-se, para aqueles que gostam de “meter a mão na massa”, aborrecido e enfadonho ao fim de um par de semanas.

Empresa Pequena

De maneira inversa, numa empresa de pequena dimensão a autonomia e proatividade não serão um problema, uma vez que está entranhado no seu DNA a necessidade de os colaboradores desempenharem uma multiplicidade de papéis. Portanto, é natural que o estagiário desempenhe várias tarefas, desde mais burocráticas e administrativas, até à criação desenvolvimento e implementação de projetos de raiz, o que em todo o caso obrigará à procura constante por mais e melhor informação, resultando num crescimento e desenvolvimento do próprio baseado na prática. Porém, nem tudo são rosas, dos vários aspetos negativos a assinalar destaco o risco de se perderem na desorganização e estarem constantemente em modo gestão do caos, não conseguindo levar a cabo nenhuma tarefa do início ao fim, bem como a possibilidade de se depararem com quezílias familiares.

Não obstante, mais importante do que a dimensão da empresa, o sucesso ou insucesso de um estágio passa pela atitude. Tal materializa-se em comportamentos como: estar verdadeiramente motivado para aprender; procurar sugar conhecimento de todos os contextos, em momentos formais, mas também na informalidade como a hora de almoço ou lanche; ser proativo sem ter medo de perguntar, perguntar e perguntar; mas acima de tudo estar consciente de que o erro é normal, sabendo conviver com o mesmo. Em última instância o objetivo de um estágio é conhecermos um pouco melhor a nossa vocação, aquilo que realmente nos faz feliz, procurando compreender qual o próximo passo a dar na nossa carreira.

Original Version can be read here:

Prácticas en empresas: ¿qué debes esperar?